Acompanhe as notícias mais atualizadas do segmento.

Top Of Mind

08 de maio de 2013

Obras na Casa de Vidro terminam este ano

texto-2-casa
As obras de reparação da Casa de Vidro – o projecto incluído no plano requalificação do Tap Seac, da autoria dos arquitectos Carlos Marreiros e José Maneiras, e do engenheiro Chui Sai Peng – vão estar prontas até ao final do ano. A data foi confirmada ontem pelo presidente do Instituto Cultural (IC), Guilherme Ung Vai Meng, que prepara ainda uma consulta pública para decidir quem deve ocupar o edifício.

“Esperamos que as unidades culturais possam ser instaladas, assim que ficarem concluídas as obras de reparação”, disse Ung Vai Meng, à saída da reunião com a 3ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa. O Instituto Cultural vai ouvir as associações locais para decidir o destino da Casa de Vidro, pensada como um espaço para exposições, cafés e livrarias.

A estrutura ao nível do solo tem sido alvo de utilizações pontuais desde a sua conclusão, em 2007. No ano passado, o presidente do IC foi autorizado a celebrar um contrato de prestação de serviços de inspecção e de projecto do espaço, em conjunto com Carlos Marreiros, autor do edifício.

Guilherme Ung Vai Meng fez o ponto de situação: “O primeiro problema que verificámos foram as infiltrações. Temos avançado nas obras. Na segunda fase, vamos resolver os problemas relacionados coma rede de comunicações e de Internet”.

Em 2008, a Casa de Vidro funcionou como espaço de informação e apoio ao plano de comparticipação pecuniária da RAEM, com um centro que aí funcionou até Outubro de 2012. Em 2009, o edifício foi ocupado temporariamente em workshops de teatro realizados durante o Festival de Artes de Macau, e, mais tarde, utilizado como clínica externa para consultas relativas à gripe, em apoio aos Serviços de Saúde.

Em 2009, a Direcção dos Serviços de Finanças suportava os “custos mínimos de manutenção, durante os períodos nos quais o edifício não está afecto a qualquer finalidade”. Um valor mensal na casa das 20 mil patacas cobria, na altura, as despesas de vigilância e os consumos mínimos de energia e água. S.N.

Faça seu comentário